sábado, 15 de julho de 2017

Mais um Passo


Há algumas semanas fizemos um pedido via blog, e-mail e rede social para doações de roupas usadas por quem quisesse ou pudesse colaborar com o nosso projeto. O tempo passou e não tivemos muitas adesões, mas o pouco que se conseguiu foi de grande importância. Hoje finalmente fizemos a doação. Desta vez o local escolhido foi a comunidade indígena Tiaraju de Araquari, localizada próximo à divisa com Guaramirim (norte catarinense). A entrega foi feita ao cacique Ronaldo. 


Ainda que tenham sido poucos os receptores das roupas, calçados e roupa de cama, a felicidade se estendeu a todos. Uns por poderem usar mais roupas de boa qualidade como as que foram doadas e outros pela satisfação em ver seus amigos e parentes sendo beneficiados com as doações.

Conforme o cacique, uma das grandes necessidades da aldeia é a comida. A área destinada aos índios é pequena e de pouca condição para o plantio. O auxílio maior vem de pessoas comuns ou de algumas entidades que vez ou outra aparecem para colaborar com doações.

Para quem tiver interesse, a aldeia fica às margens da BR-101, trevo que dá acesso à Joinville, Guaramirim e região central de Araquari. O acesso é via BR-280, sentido Guaramirim (há uma placa indicando a entrada).

Obs.: Esta publicação tem como objetivo mostrar aos colaboradores o destino de suas doações e a incentivar outras pessoas a praticarem ações semelhantes.


terça-feira, 13 de junho de 2017

Quando o inverno chega...


Sabe aquela roupa, calçado ou roupa de cama que está lá no seu roupeiro ou em qualquer outra parte da sua casa meio esquecida e que você já nem usa mais? Que tal doar para alguém que esteja precisando? 

Veja algumas vantagens:

- Você deixa seu guarda-roupas mais organizado e com mais espaço;
- Reduz o sofrimento de alguém que esteja precisando;
- Você se torna uma pessoa - no mínimo - um pouco melhor.

O frio não espera o calendário avisar que o inverno começou. Ele já está bastante intenso.

E então, que tal?

terça-feira, 11 de abril de 2017

Menina com Paralisia Cerebral faz Trabalho de Conscientização no Instagram


A exemplo de milhões de pessoas pelo mundo Christina Smallwood e sua filha Finley também se renderam à ideia de usar o Instagram como um diário. 

Através da rede social as duas vêm documentando cada novo dia de lutas e vitórias de suas vidas. Por meio do perfil @fifiandmo, elas dividem com mais de 60 mil seguidores o dia a dia atípico das duas. 


Finley tem paralisia cerebral com diplegia espástica, o que provoca rigidez nos músculos das extremidades inferiores do corpo. A menina de apenas três anos usa um andador, e recentemente passou por uma cirurgia cara para reduzir sua contração muscular e ajudá-la a caminhar. 


A ideia de compartilhar sua história começou no blog fifiandmo.com, porque Christina se sentia isolada como uma nova mãe de uma filha com necessidades especiais. Sua missão desde então transformou-se em uma oportunidade de espalhar a consciência, conectar-se com as famílias que têm histórias similares e levantar fundos para aliviar os custos associados às terapias e cirurgias. 

Ela acredita que Finley vai precisar de dezenas de cirurgias antes de completar 15 anos.

Fonte:


Fotos:

terça-feira, 4 de abril de 2017

Paraguai Põe em Prática Projeto Para Eliminar o Uso de Sacolas Plásticas


Desde o último sábado todos os estabelecimentos comerciais paraguaios passaram a cobrar pelas sacolas plásticas. Agora, as três primeiras são livres, da quarta em diante deve ser pago uma quantia que varia de acordo com o tamanho. 

O Ministério da Indústria e Comércio informou que a nova lei serve para promover a redução do uso de plástico visando proteger o meio ambiente. Este regulamento não se aplica apenas aos supermercados, mas também para auto serviços, despensas e lojas em geral. 

A partir de 1 de setembro de 2018 os sacos descartáveis passarão a ser substituídos por sacolas reutilizáveis certificadas. Já a partir de setembro de 2019, não será mais permitido o comércio de sacos de polietileno para uso individual. A ideia é a extinção gradual até 2023.

Fonte:

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Doações Feitas no Asilo Santa Isabel


Na última semana foi dado mais um passo em nosso projeto. A ideia que nasceu em meados de 2015 fez seu primeiro trabalho de doação para a creche Casa da Gente (Laguna), no final do mesmo ano. Já no início de 2016, foi a vez do centro espírita Caminho de Luz (Jaraguá do Sul) receber roupas arrecadadas pelo grupo. Em outubro, o asilo Santa Isabel (Laguna) também recebeu doações de roupas. Na ocasião ficou definido que na mesma entidade seriam feitas doações de cestas de natal. Ao todo foram doadas 40 cestas entre internos e funcionários. Tão importante quanto as doações é a participação das pessoas que colaboram fazendo possível estas ações. 



É gratificante ver crianças interessadas em ajudar com suas moedinhas e saber que mesmo ainda muito jovens já demonstram interesse em fazer algo pelo próximo. Feliz também é a constatação feita durante estes primeiros 18 meses sobre a quantidade de grupos ou pessoas isoladas que também realizam este tipo de trabalho mesmo com um cenário desfavorável como foi o de 2016. Embora nosso projeto ainda esteja engatinhando, ele vem crescendo ao longo dos meses. A prova disto é a crescente de pessoas engajadas - um dos pontos principais do projeto. 



Dias antes da visita ao asilo de Laguna, tivemos um apoio extra na cidade de Criciúma, onde conseguimos doações de brinquedos e calçados infantis. Estes últimos foram doados a crianças na comunidade lagunense conhecida como Casqueiro - uma das regiões mais pobres de Laguna. A entrega foi feita através da pastoral da igreja Nossa Senhora Auxiliadora. Além dos pontos de coleta de Jaraguá do Sul e Laguna, para 2017 contaremos com um outro ponto na cidade de Araranguá. A divulgação destes eventos serve para mostrar aos colaboradores a importância de suas participações, assim como incentivar outras pessoas à terem iniciativas como estas, já que este blog tem leitores não só do Brasil mas também de outras partes do mundo.

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Mudar O Mundo - Plástico


Entre 500 bilhões e 1 trilhão de sacolas plásticas são consumidas em todo o mundo anualmente. No Brasil, cerca de 1,5 milhão de sacolinhas são distribuídas por hora! Achou muito? A natureza também.

Consumir sacolas plásticas de maneira consciente significa refletir antes de aceitar uma sacolinha. A compra é pequena? Será que não cabe na sua bolsa ou bolso? Você já tem uma sacola retornável? Que tal adquirir uma e economizar 6 sacolinhas plásticas? Está certo que reutilizamos as sacolinhas plásticas como sacos de lixo, mas pense bem: você não pega muito mais sacolinhas do que realmente precisa?

Quanto se trata de sacolas plásticas, a primeira atitude é RECUSAR sempre que possível. Novos hábitos vão ajudá-lo nesta tarefa e logo será estranho aceitar uma sacola plástica no comércio. Dizer simplesmente "Não, obrigado" é o primeiro passo.

As sacolas plásticas são motivo de enorme debate internacional. Seu consumo exagerado tem causado situações assustadoras. Na África do Sul, por exemplo, há tantas espalhadas pelas cidades, matas e rodovias que passaram a ser chamadas de "flor nacional", tamanha a quantidade vista em gramados, jardins e florestas. Na Índia, centenas de vacas morrem todos os anos ao ingerirem sacos plásticos. Milhares de tartarugas confundem as sacolas plásticas que chegam aos oceanos com águas-vivas, sua fonte básica de alimento, e morrem sufocadas. Já os norte-americanos jogam fora pelo menos 100 bilhões de sacolas plásticas por ano, o que significa o desperdício de 12 milhões de galões de petróleo.

Na Irlanda foi instituída a cobrança pelas sacolas plásticas, em 2002. Desde então, o consumo de sacolas plásticas caiu em 97%. Na China, a distribuição gratuita de sacolas plásticas foi proibida a partir de 2008: eram 3 bilhões de sacolas consumidas por dia! Na Austrália, os varejistas assinaram o programa do governo para banir as sacolas plásticas e já houve queda de 90% no consumo. Em 2007, os comerciantes de São Francisco, na Califórnia, foram obrigados por lei a banir as sacolas plásticas comuns. Agora a coleta do lixo é feita em coletores seletivos especiais, que não aceitam o depósito de sacolas plásticas: os resíduos orgânicos devem ser embalados em papel, jornal ou sacos de bioplástico certificado pelo Biodegradable Products Institute (BPI), que garante que o produto é feito de matéria-prima orgânica renovável.


E você, o que está fazendo para melhorar este cenário?

Este que vos escreve resolveu aderir à ideia há algum tempo. Comprei duas sacolas retornáveis e logo percebi uma redução no meu consumo de 80%. Passei a aceitar sacolas plásticas em quantidade suficiente apenas para armazenar lixo. Também comecei a reutilizar sacos transparentes para a embalagem de frutas e verduras levando-os de volta às compras.

As sacolas retornáveis que adquiri, além do baixo custo, são bastante resistentes, bonitas e cabem muita coisa. Como se pode ver, não é tão difícil pelo menos reduzir o impacto que causamos à natureza, à nós mesmos. Vamos lá, vamos fazer algo logo!

Somente para encerrar, a sacola da foto é uma das que adquiri.

Referência

http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/producao-e-consumo-sustentavel/saco-e-um-saco/saiba-mais